Versão online da Feira do Fumeiro de Vinhais traduz-se em perdas de “centenas de milhares de euros”

A Câmara Municipal de Vinhais anunciou, ontem, que vai realizar a tradicional Feira do Fumeiro online com perdas de “centenas de milhares de euros” para a economia do concelho e da região.

O presidente do município acredita que o fumeiro tem venda garantida, mas admite consequências negativas da não realização da mais antiga feira gastronómica da região para toda a atividade que gerava nos anos anteriores.

O autarca tinha anunciado a intenção de manter a venda presencial com condições mais restritivas mas, devido à evolução e medidas de contenção da pandemia de covid-19, dá agora apenas como certa a venda online entre 11 e 14 de fevereiro.

O município criou uma plataforma digital (www.fumeirodevinhais.pt) onde serão exibidos os enchidos tradicionais e os clientes poderão fazer as compras, com a garantia de que a própria autarquia se encarregará de fazer chegar ao destino as encomendas de valor superior a 50 euros.

A plataforma vai estar disponível a partir de 01 de fevereiro e, paralelamente às vendas, vão realizar-se outras iniciativas online, como as habituais jornadas técnicas do porco bísaro, elemento distintivo destes enchidos transmontano.

O tradicional concurso do melhor salpicão também se mantém, assim como demonstrações gastronómicas, a cargo de chefes de cozinha, dos pratos que podem ser confecionados com estes produtos certificados com Indicação Geográfica Protegida (IGP), nomeadamente o salpicão, a chouriça de carne, a alheira, o butelo, a chouriça doce e o chouriço azedo e o presunto.

gas

A feira do fumeiro que se realizou ininterruptamente nos últimos 40 anos em fevereiro não terá este ano a mesma dimensão, como salientou hoje, na apresentação do programa, o autarca local, Luís Fernandes, que ainda mantém “alguma esperança” de a pandemia permitir fazer venda presencial na segunda semana de fevereiro paralelamente com a plataforma digital.

Independentemente de ser possível, será sempre limitada e sem a presença de dezenas de milhares de visitantes que anualmente acorriam a Vinhais à procura do fumeiro, com uma fileira que movimenta anualmente cerca de 10 milhões de euros neste concelho.

A autarquia estima que sem as atividades e a dinâmica em torno da feira, não só o concelho, mas a região, terão um impacto económico negativona ordem das centenas de milhares de euros”.

O presidente da Câmara está certo de que “os produtores não vão deixar de vender o fumeiro”, mas faltarão as restantes atividades que abrangiam centenas de expositores, outros produtos regionais, setor empresarial ligado à agricultura, animação, restauração e comércio.

Os responsáveis locais ainda não sabem quantos produtores irão aderir à plataforma de venda digital, mas apontam para “pelo menos, entre 40 a 50”.

Os condicionalismos da pandemia ocorrem num ano considerado “bom” para o fumeiro com as geadas e frio a ajudarem à qualidade dos enchidos.

Com as consequências da crise sanitária, esta autarquia tem reclamado do Governo apoios a estes produtos, nomeadamente a redução da taxa de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) para o mínimo de 6% para os produtos certificados com Denominação de Origem Protegida (DOP) ou Indicação Geográfica Protegida (IGP).

O município de Vinhais já fez chegar esta reivindicação ao Governo, assim como a Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes.

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.


PUB.

The website encountered an unexpected error. Please try again later.