Inauguração do Campo de Jogos do Azibo abençoada por Madjer em Fase Regional onde o Vila Flor se sagrou campeão

Teve lugar este fim de semana a tão aguardada estreia do Campo de Jogos das praias do Azibo. E que melhor maneira de arrancar com um conceito transmutado, agora, em realidade, que pretende representar um modelo em todo o Nordeste Transmontano no que aos desportos de verão diz respeito, do que receber os “derradeiros encontros” de futebol de praia da Série Bragança.

Com todo o mérito, o Vila Flor Sport Clube (SC) sagrou-se vencedor fuzilando, na tão cobiçada final de domingo, o Clube Académico (CA) de Macedo de Cavaleiros com 11 golos contra os, apenas, quatro da equipa anfitriã.

Como finalistas do Campeonato Distrital de Futebol de Praia de Bragança, Vila Flor SC e CA Macedo de Cavaleiros conseguiram, assim, conquistar um lugar ao sol na Segunda Fase da prova, já de âmbito nacional, onde irão disputar as duas vagas de acesso à Elite com os seis clubes apurados nas séries de Coimbra (dois jogadores), Leiria (um) e Lisboa (três).

Ainda antes de se ouvir o apito do árbitro que daria o arranque oficial da Fase Regional, na manhã de sábado, o autarca macedense Benjamim Rodrigues e o diretor coordenador da Federação Portuguesa de Futebol, Pedro Dias, presidiram à cerimónia protocolar de inauguração do Campo de jogos do Azibo, durante a qual tiveram o privilégio de partilhar o “palco” com aquele que foi considerado, em cinco ocasiões distintas (em 2003, 2005 e 2006 de forma “oficiosa”, em 2015 e 2016 com galardão oficial), como o “melhor do mundo".

E foi após uma final global suada a lágrimas, a 1 de dezembro de 2019 na América do Sul, mais precisamente no Paraguai, em que Portugal venceu a congénere italiana por 6 a 4, que o último campeão do mundo decidiu veicular, através da comunicação social, aquele que seria o ponto final de um trajeto invejável pautado pelo sucesso, findos notáveis 22 anos de carreira, recheada de títulos europeus e mundiais.

Um adeus a uma modalidade à qual tanto deu, onde desempenhava, de forma contínua, o papel de protagonista, contribuindo, indubitavelmente, para a conquista dos três títulos mundiais da seleção das quinas.

Num regresso ao passado, no virar do milénio, em 2001, duas semanas depois do título europeu alcançado em Espanha, Portugal entrou para a história da modalidade, ao vencer a França por 9 a 3 na VII edição do Campeonato do Mundo em São Salvador da Bahia, num jogo em que o atleta de alto rendimento esteve em grande destaque com dois golos revelando em campo, juntamente com os quatro golos de Alan, todo um poderio atacante que destronaria a supremacia da seleção brasileira que havia sido vencedora de todas as seis edições da “Copa do Mundo de Futebol de Areia” disputadas até então.

Madjer

Madjer com a taça na mão aquando da vitória da seleção frente a Itália na final do Mundial de Futebol de Praia em 2019 no Paraguai, momentos antes do atleta anunciar o fim da sua carreira

 

Já em 2015, Portugal assumiu-se como anfitrião e a jogar em casa sagrou-se campeão do mundo frente ao Taiti por 5 a 3 na cidade costeira de Espinho com Madjer a inaugurar o marcador aos três segundos. Sim. Leu bem. Três segundos.

Mas, foi em 2019, após uma reviravolta no resultado que permitiu a Portugal triunfar sobre a equipa transalpina, conseguindo o seu terceiro título mundial, registo apenas superado pelo Brasil, se ouviu de Madjer, já com 43 anos, o adeus do “melhor do mundo”. "Para além de fisicamente já não estar a 100% para acompanhar os miúdos, já me estava a preparar para acabar e queria terminar com um grande título”, admitiu, na altura, em entrevista ao jornal Sporting (clube que representou durante 14 anos e onde marcou 167 golos em 210 jogos), oficializando, assim, o fim da linha de uma carreira, de lágrimas no rosto, símbolo de um amor maior pela modalidade a que dedicou, "de coração", uma vida.

A despedida sentida à seleção abriu-lhe outras portas na Federação, onde abraçou novos projetos entrando para os quadros do organismo, onde desempenha as funções de coordenador para o futebol de praia. e daí a sua presença este fim de semana em Macedo de Cavaleiros, numa fase regional onde foram respeitadas todas as recomendações da Direção Geral de Saúde e que contou com as formações do CA Macedo Cavaleiros, Futebol Clube Mãe d’Água, Grupo Desportivo Cachão, Grupo Desportivo Macedense, Centro Cultural Desportivo Minas Argozelo e Vila Flor SC, divididas em dois grupos de seis equipas.

Com mais de 1000 golos ao serviço da seleção das quinas, o esquerdino João Victor Saraiva, que adotou a alcunha do seu ídolo e antigo avançado argelino do FC Porto Rabah Madjer, para além dos três Campeonatos do Mundo, conquistou cinco Campeonatos da Europa e a medalha de ouro nos Jogos Europeus, entre muitos outros troféus, tendo, ganho, inclusive, o prémio de melhor jogador de sempre da prestigiada publicação gaulesa France Football.

MC

Inauguração do Campo de Jogos das praias do Azibo, em cerimónia presidida pelo edil macedense Benjamim Rodrigues e pelo representante da Federação Portuguesa de Futebol Pedro Dias

 

Resultados do Campeonato Distrital de Futebol de Praia (Série Bragança)

 

FINAL

CA Macedo de Cavaleiros 4 - 11 Vila Flor SC

 

TERCEIRO E QUARTO LUGARES

CCD Minas Argozelo 6 - 3 GD Cachão

 

MEIAS - FINAIS

CA Macedo de Cavaleiros (1º Grupo A) 6 - 4 CCD Minas Argozelo (2º Grupo B)

Vila Flor SC (1º Grupo B) 9 - 1 GD Cachão (2º Grupo A)

 

GALERIA FOTOGRÁFICA  (CRÉDITOS): CM Macedo de Cavaleiros

 

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.