Covid-19: "Emigrantes não devem vir (para Portugal), a não ser em situações inadiáveis"

Em pleno Estado de Emergência, instigado por uma crise sem precedentes provocada pelo Covid-19 que não conhece fronteiras, o jornal Kapital do NordestE (KNE) decidiu entrevistar a atual Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, até pelas dificuldades com que algumas delas se estão a ver confrontadas neste cenário de pandemia global, a que se acresce o facto de residirem num país estranho ou, pelo menos, um que não é o seu, e estarem a milhares de quilómetros e oceanos de distância das suas famílias, fazendo deste um momento em estreia, não obstante, decisivo nas suas vidas.

Enquanto outros emigrantes, aos milhares, decidem regressar a casa, obrigando-nos a recordar o mês de agosto, em que as pequenas aldeias pulsam de vida, só que não. Com um isolamento profilático de 14 dias imposto pelo Governo aos cidadãos recém-chegados, alguns autarcas do Norte denunciam que não existe qualquer controlo nas fronteiras, a não o administrativo, em termos de testes ao Covid-19. Pior que isso como a KNE constatou, só mesmo os retornados que teimam em não respeitar essa regra, aparentemente, simples.

Médica e ex-autarca, Berta Nunes proporciona uma visão singular sobre o contexto de pandemia que se vive em Portugal, em particular, no Nordeste Transmontano, até pelo seu passado, sempre intimamente ligado à região, nomeadamente, enquanto presidente da Câmara Municipal de Alfândega da Fé.

 

ENTREVISTA:

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.