PUB.

Covid-19: Diocese de Bragança-Miranda não cancela festas religiosas, mas altera o modo de as fazer

O bispo da diocese de Bragança-Miranda, José Cordeiro, afirmou que as tradicionais festas religiosas de verão vão realizar-se no Nordeste Transmontano, assim como casamentos, batizados e comunhões com o “bom senso” que a pandemia covid-19 exige.

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes decidiu, a 13 de maio, cancelar todos os eventos até 30 de setembro, incluindo festas religiosas, nos nove concelhos da área de abrangência, que são a maioria dos 12 do distrito de Bragança, que corresponde ao território da diocese.

O bispo José Cordeiro garantiu esta quinta-feira à Lusa que as festas religiosas vão realizar-se, nomeadamente as procissões, salvaguardando as questões sanitárias e adaptadas à realidade atual.

A festa cristã celebra-se, a eucaristia da festa celebra-se, portanto nós não cancelamos festas, agora cancelamos é o modo de as fazer como até agora vínhamos fazendo”, vincou.

O verão é uma época peculiar de festas e romarias no Nordeste Transmontano, desde as aldeias aos meios mais urbanos, com celebrações dos santos padroeiros.

As medidas de contenção da pandemia de covid-19 impedem os ajuntamentos típicos destes momentos, que o bispo defende ser possível continuar a realizar sem pôr em causa a saúde pública.

Havemos de encontrar as formas criativas e segundo aquela regra geral que é o mais importante, que é o bom senso, que tem de estar presente em todos os atos responsáveis que iremos fazer”, sustentou.

Já na primeira semana de junho, a diocese vai avaliar esta questão das festas cristãs, incluindo as procissões, nas reuniões dos quatro arciprestados, nas quais o bispo também estará presente.

Nós temos é que encontrar alguma criatividade para as fazer, uma maneira que cuide da saúde pública, que as pessoas, por exemplo, fiquem às janelas ou às varandas e passe um carro com a imagem e que haja um momento de recolhimento e de oração porque não é uma questão de mera tradição, de decoração ou de folclore, mas é uma questão de fé”, apontou.

José Cordeiro acredita que, “com inteligência, no diálogo com as autoridades sanitárias, com as autoridades de segurança é possível encontrar formas criativas, salvaguardando todas as medidas de segurança” e atendendo à realidade do território do Nordeste Transmontano.

Nós não podemos perder aquilo que dá sentido à nossa vida e nas nossas aldeias é vital, é decisivo que isso aconteça, agora não pode acontecer é como acontecia o ano passado ou como acontecia há uns meses atrás, exige muito de nós, vai dar muito que fazer”, reiterou.

O prelado sublinhou que as situações serão analisadas “caso a caso” e que terá “sempre de haver autorização da Cúria Diocesana e, nalguns casos, mesmo do próprio bispo”.

Vai ser a normalidade possível, não vai ser a anterior ao dia 13 de março, quando suspenderam as celebrações litúrgicas comunitárias”, ressalvou.

Da mesma forma, o bispo de Bragança-Miranda destaca que “os sacramentos não estão suspensos” e que continuarão a realizar-se casamentos, batizados e comunhões, indicando que ele próprio irá fazer algumas destas celebrações.

Está a ser tudo ponderado, avaliado, inclusivamente os crismas, aquelas comunidades onde são pouco, cinco ou 10, que tenho alguns casos, iremos fazer, outros, estamos a adiar para setembro e outras coisas estão a ser avaliadas uma por uma, mas não é dizer: não se faz, não se celebra”, acrescentou.

Segundo disse, nalgumas paróquias, alguns padres estão a ponderar “fazer à medida que as coisas estão preparadas, podem ser duas ou três crianças, quatro ou cinco, também mediante a capacidade do lugar onde se celebra, na igreja ou em missas campais com a devida autorização”.

Nada se deixará de fazer pelo medo e muito menos por causa do pânico”, declarou.

Para o bispo de Bragança-Miranda, “a Igreja tem de viver da presença efetiva e afetiva, não basta a transmissão por qualquer meio de comunicação social” e acredita que “as pessoas estão sensibilizadas para as normas sanitárias”, nomeadamente a contenção de gestos.

O distrito de Bragança registava, esta quinta-feira, cerca de 250 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus e mais de 20 mortes, de acordo com o boletim diário da Direção-Geral da Saúde, que dá conta de 29.912 no país e 1.277 mortos associados à covid-19.

Portugal iniciou a 3 de maio o processo gradual de desconfinamento com a reabertura de espaços comerciais, escolas e equipamentos culturais.

O regresso das cerimónias religiosas comunitárias está previsto para 30 de maio.

 

FOTOGRAFIA DE ARQUIVO: BMF

Adicionar novo comentário

CAPTCHA Esta questão tem a finalidade de prevenir publicações de spam.


PUB.